Mazzaropi e Chaplin são destaques do Cine Cultura em fevereiro

O Cine Cultura de fevereiro apresenta uma programação de filmes com exibição gratuita, que acontece nos dias 12 e 13, 19 e 20, às 18h, no Teatro Padre Bento e na Biblioteca Monteiro Lobato, no centro. Grandes ícones do cinema nacional e americano, Mazzaropi e Charlie Chaplin são os destaques das exibições, que têm classificação livre.

Dia 13 - quinta-feira, 20h
As Aventuras de Pedro Malasartes (Brasil, 1960, 129 min)


A imagem pode conter: 1 pessoa, texto que diz "Com GENNY PRADO GENESIO ARRUDA DORINHA DUVAL BENEDITO LIENDO VIANA ALVIM FERNANDES KLEBER AFONSO AUGUSTO MACHADO CAMPOS NICOLAU GUZZARDI"

No dia 13, quinta-feira, o Auditório Pedro Dias Gonçalves, na Biblioteca Monteiro Lobato, exibe As Aventuras de Pedro Malasartes, um caipira humilde e inocente, que é enganado pelos irmãos na partilha da herança de seu falecido pai. Pedro deixa a fazenda levando somente um ganso, um tacho velho e umas poucas roupas. Pelo caminho, acaba sendo acompanhado por uma porção de crianças abandonadas. Atrapalhado e de coração mole, começa a aplicar pequenos golpes para conseguir dinheiro.

Dia 20 - quinta-feira, 20h
O Grande Ditador (EUA, 1940, 125 min)


A exibição de O Grande Ditador acontece no dia 20, quinta-feira, no Auditório Pedro Dias Gonçalves. O filme conta a história de Adenoid Hynkel (Charles Chaplin), que assume o governo de Tomainia. Ele acredita em uma nação puramente ariana e passa a discriminar os judeus locais. A vida dos judeus é monitorizada pela guarda de Hynkel, que tem planos de dominar o mundo. Seu próximo passo é invadir Osterlich, um país vizinho, e para tanto negocia um acordo com Benzino Napaloni (Jack Oakie), ditador da Bacteria.


A imagem pode conter: 1 pessoa

Serviço: Auditório Pedro Dias Gonçalves / Biblioteca Monteiro Lobato
Rua João Gonçalves, 439 Centro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A importância das Bibliotecas em 33 motivos.

“A virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna, e mais longos que o talhe de palmeira. O favo da jati não era doce como seu sorriso...."

O sabão, de Monteiro Lobato