Projeto Poesia às segundas-feiras


SOUZA, Tico de. Mãe IN: Cadernos negros, v.31. São Paulo, Quilombhoje, 2008. p.139

Mãe, acho que consegui
mudar o destino da nossa família
não virei doutor e nem artista
mas em um livro eu escrevi
O que escrevo não dá dinheiro
também não rende camarote VIP
talvez eu sirva de espelho
para os nossos que estão por vir
Quantos dos nossos conseguiram crescer
e dar um pouco de orgulho familiar
Mãezinha, este poema é para você
que muito lutou para me educar
Ainda não tenho curso superior
também não desisti, estou na lida
Um dia também serei doutor
para o seu orgulho, mãezinha querida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A importância das Bibliotecas em 33 motivos.

“A virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna, e mais longos que o talhe de palmeira. O favo da jati não era doce como seu sorriso...."

O sabão, de Monteiro Lobato