Postagens

Mostrando postagens com o rótulo 8 Linguagem. Linguística. Literatura

Projeto Poesia às 2as.feiras

Imagem
GULLAR, Ferreira. Lição de um gato siamês. IN: Toda poesia (1950-1999). 10ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 2001. p.449

Só agora sei
que existe a eternidade:
é a duração 
      finita
      da minha precariedade

O tempo fora
de mim
             é relativo
mas não o tempo vivo:
esse é eterno
porque efetivo
-- dura eternamente
   enquanto vivo

E como não vivo
além do que vivo
não é
tempo relativo:
dura em si mesmo
eterno (e transitivo)

E alguém ainda duvida disso?

Imagem

O que acontece com seu corpo enquanto você lê.

Imagem
Dos primeiros 10 minutos até anos de leitura – tudo o que acontece com sua mente ao devorar livros e mais livros
A leitura é uma experiência imersiva que confere um novo fôlego para seu cérebro. Ele é responsável por gerar imagens e ideias enquanto você passeia por um blog literário ou mergulha na leitura do seu recém-adquirido romance. Seu cérebro faz novas conexões, estabelece diferentes padrões – uma realidade virtual ao seu alcance. Os Primeiros 10 minutosO processo é iniciado. Seus olhos passeiam pelas letras, acostumam-se com a tipografia, a cor do papel, a disposição das palavras. Até mesmo seu olfato é estimulado (neste caso, se estiver lendo um livro impresso). Lentamente, você começa a ser transportado para outra realidade. Começam os efeitos intelectuais. Seu cérebro lida com estrutura narrativa, já tentando reconhecer a “voz” do autor. Seu cérebro se posiciona no contexto terminológico. Oferece alguma resistência às novas ideias. Tenta te avisar que aquilo que está lendo é fic…

Grandes Amizades Literárias: "se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo…"(O pequeno príncipe).

Imagem
Nesse dia da Amizade, trazemos exemplos inesquecíveis de amizades que marcaram para sempre a literatura.
 Afinal,  um AMIGO nos inspira, nos anima e juntos vivemos grandes aventuras.


Ainda que Sherlock Holmes seja o maior detetive de todos os tempos, desvendando mistérios a partir da sua lógica dedutiva e métodos científicos, como falar de Holmes sem lembrar do Dr.Watson? Difícil, senão impossível! Já que todos os grandes mistérios desvendados pelo ilustre detetive, criado por Sir Conan Doyle são narrados pelo seu fiel amigo.

Só mesmo um bom amigo, que tem a visão mais realista do mundo consegue acompanhar as viagens imaginárias de Dom Quixote, no clássico de Cervantes. Dom Quixote e Sancho Pança representam valores distintos, embora sejam participantes do mesmo mundo. São mundos completamente diferentes. Sancho Pança o fiel escudeiro de Dom Quixote é definido por Cervantes como "Homem de bem, mas de pouco sal na moleirinha". É o representante do bom senso e é para o mundo real…

Livros que te farão repensar o mundo tal e como você o conhece

Imagem

Projeto Poesia as 2as.feiras

Imagem
GULLAR, Ferreira. Reflexão. IN: Toda poesia (1950-1999). 10ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 2001. p.473

Está fora 
de meu alcance
o meu fim

Sei só até
onde sou

contemporâneo 
de mim




Livros que são diamantes para o cérebro.

Imagem
Livros, bons livros, são verdadeiros diamantes para o cérebro ou, se se quiser, para a alma. Aliás, até maus livros, se bem lidos, se tornam pelo menos uma vistosa bijuteria.

A Consciência de Zeno, de Italo Svevo Svevo às vezes é mais citado como “o” amigo italiano de James Joyce. O irlandês foi seu professor de inglês. Poucas vezes um burguês foi retratado com tanta felicidade quanto neste romance. Zeno, um fumante inveterado — nada politicamente correto —, submete-se à psicanálise e, em seguida, desiste, porque deixa de acreditar na “ciência” de Freud. O livro é de 1923. Zeno, grande personagem, faz um mergulho poderoso na sua própria vida. Otto Maria Carpeaux qualificou o romance de “genial”. 



Folhas de Relva, de Walt Whitman Walt Whitman não é “um” e sim “o” poeta norte-americano. Segundo Otto Maria Carpeaux, é um “poeta para poetas”. Dado o uso intensivo do verso livre, que ele “criou” como um método — então novo e rebelde em relação à poesia metrificada —, o poema longo de Whitman d…

Projeto Poesia às 2as.feiras

Imagem
GULLAR, Ferreira. Dentro sem fora. IN: Toda poesia (1950-1999). 10ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 2001. p.393

A vida está
dentro da vida
em si mesma circunscrita
sem saída.

Nenhum riso
nem soluço
rompe
a barreira dos barulhos.

A vazão
é para o nada.

Por conseguinte
não vaza.

A linguagem da internet

Imagem
Abreviações e o uso escrito de palavras que mais se aproximam com a fala já faz parte da realidade dos internautas brasileiros.Por Caroline Svitras | Fotos: Shutterstock
Ano passado, conforme a 11ª edição do TIC Domicílios, foi registrado que 58% da população brasileira tinha acesso à Internet em 2016, percentual correspondente a 102 milhões de internautas. Desse total, o número de usuários ativos por mês nas redes sociais atingiu a casa dos 92 milhões na metade do mesmo ano, segundo a pesquisa realizada pela agência eMarketer. Esses dados revelam que as redes sociais como FacebookInstagram e Twitter já fazem parte do dia a dia do nosso país, que passa, em média, 9 horas por dia conectado à Internet , conforme a pesquisa divulgada pelo We Are Social. Essa imersão no mundo virtual traz uma série de alterações no comportamento dos internautas, que precisam se adequar à linguagem e aos modismos de cada rede. Com frases cheias de abreviações e palavras escritas erradas de propósito, o idio…

Projeto Poesia às 2as.feiras

Imagem
GULLAR, Ferreira. Barulho. IN: Toda poesia (1950-1999). 10ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 2001. p.373

Todo poema é feito de ar
apenas:
              a mão do poeta
              não rasga a madeira
              não fere
                            o metal
                            a pedra
             não tinge de azul
os dedos
quando escreve amanhã
ou brisa
ou blusa 
              de mulher.

O poema
é sem matéria palpável
           tudo
           o que há nele
           é barulho
                          quando rumoreja
                          ao sopro da leitura.