Projeto Poesia às 2as.feiras


SILVA, Abel. Cada dia. IN: Só uma palavra me devora: poesia reunida e inéditos. 3a.ed. Rio de Janeiro, Record, 2001. p.86

Ainda que eu andasse 
pelo vale das sombras da morte
onde se esgueiram negros cães feridos
e tristes mendigos não mendigam mais
e onde os poderosos passam televistos
de perfil, na maciez de seus veículos blindados
(levam no sangue os venenos que excitam
nos dedos os anéis dos crimes mais cruéis
nos olhos os punhais que nunca dormem
nos dentes as cáries domadas
a ouro, ferro, metais
que trituram na raiz todos os ais
do coração)
eu não temeria mal algum
o meu amor me guarda travessia
de cada dia.

Postar um comentário