Projeto Poesia às 2as.feiras


SILVA, Abel. Homem feliz. IN: Só uma palavra me devora: poesia reunida e inéditos. 3a.ed. Rio de Janeiro, Record, 2001. p.182

Dizem que no Brasil
há um homem feliz...
Maiakovski

Nesta tarde, no Brasil
um homem se sente feliz!
não eufórico nem agitado
(na verdade nada de extraordinário aconteceu)
e ele examina o céu
de azul pintado. E este homem sou eu.
Na minha varanda, sob o Corcovado
há um pé de manacá, de pitanga e unha-de-gato
e até uma borboleta vira-folhas
comparece com sua soluçante e bem-vinda colaboração.
Não sei bem porque me sinto assim como aquele homem 
brasileiro de Maiakovski
e é tão raro em letra de forma alguém se confessar feliz
que eu deveria talvez fazer um exame de consciência...
Mas é que a vida está agora, digamos,
VIVA! Só. Sem alarde. Sem maiores transcendências.
Vivo eu, a borboleta, as plantas e a tarde...
Ocorre às vezes este viver pousado
na haste do tempo: ser,
feito um cão desprevenido ou um tigre saciado
só o faro, talvez, inda ligado
ao ritmo geral das coisas: a vida distraída.
Sei que isto é uma fresta
nas surpresas do vento
e enquanto olho o céu sozinho e lento
milhares se acotovelam nos porões
e afogados recebem
sob a neblina
a última notícia da luz.
Mas não quero pensar neles, não quero pensar,
só me sentir assim como me sinto: passando...
E a brisa
o tempo e a vida
me levando.
Postar um comentário