Projeto Poesia às 2as.feiras


GULLAR, Ferreira. Perda. IN: Toda poesia (1950-1999). 10ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 2001. p.358

A Mário Pedrosa

Foi no dia seguinte. Na janela pensei:
Mário não existe mais.
Com seu sorriso o olhar afetuoso a utopia
                                       entranhada na carne
                                       enterraram-no
e com sua brancas mãos de jovem de 82 anos.


Penso - e vejo
acima dos edifícios mais ou menos à altura do Leme
uma gaivota que voa na manhã radiante
e lembro de um verso de Burnett: "no acrobático
                                                       milagre do vôo".

E Mário?
A gaivota voa
fora da morte:
                      e dizer que voa é pouco:
                                         ela faz o vôo
                                         com asa e brisa
                                         o realiza
                      num  mundo onde ele já não está 
                      para sempre.

E penso: quantas manhãs virão ainda na história da Terra?
É perda demais para um simples homem.


Postar um comentário