Projeto Poesia às 2as.feiras

Imagem relacionada

GULLAR, Ferreira. Barulho. IN: Toda poesia (1950-1999). 10ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 2001. p.373

Todo poema é feito de ar
apenas:
              a mão do poeta
              não rasga a madeira
              não fere
                            o metal
                            a pedra
             não tinge de azul
os dedos
quando escreve amanhã
ou brisa
ou blusa 
              de mulher.

O poema
é sem matéria palpável
           tudo
           o que há nele
           é barulho
                          quando rumoreja
                          ao sopro da leitura.




Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!

Espaço Troca Livros: Mulheres e a Guerra dos Farrapos