Projeto Poesia às 2as.feiras

Imagem
GULLAR, Ferreira. Glauber morto. IN: Toda poesia (1950-1999). 10ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 2001. p.351

O morto não está de sobrecasaca
não está de casaca
não está de gravata.

O morto está morto

não está barbeado
não está penteado
não tem flor na lapela
um flor 
na calça
sapatos de verniz

não finge de vivo
não vai tomar posse 
na Academia.

O morto está morto
em cima da cama
no quarto vazio.

Como já não come
como já não morre
enfermeiras e médicos
não se ocupam mais dele.

Cruzaram-lhe as mãos
ataram-lhe os pés.

Só falta embrulhá-lo
e jogá-lo fora.



Comédia + sátira= Moliére

Jean-Baptiste Poquelin, conhecido artisticamente como Molière, foi um importante escritor, ator e dramaturgo francês do século XVII. Nasceu em 15 de janeiro de 1622 na cidade de Paris e faleceu na mesma cidade em 17 de fevereiro de 1673. Ganhou grande destaque no mundo teatral com suas excelentes comédias de tom satírico.

 Molière é considerado o pai da Comédia Francesa. Em suas peças de teatro, Molière retratou  temas do cotidiano com um olhar crítico e satírico. Mostrou o pedantismo dos falsos sábios, a pretensão dos burgueses enriquecidos, a corrupção em diversos setores sociais e as mentiras dos médicos ignorantes.

Molière também retratou de forma extraordinária os grandes defeitos e virtudes da alma humana. Comportamentos e sentimentos como inveja, cobiça, orgulho, avareza e arrogância são objetos importantes para a composição de suas obras.

Em função do realismo e do tom cômico de suas obras, Molière recebeu, durante grande parte de sua vida artística, protestos, perseguições e até ameaças. Esta oposição vinha, principalmente, dos setores mais conservadores da sociedade (alta sociedade, Igreja, políticos) incomodados com as temáticas das obras de Molière.


Principais obras de Molière 



- As preciosas ridículas (1659)

- A Escola de Mulheres (1662)

- Tartufo (1664)

- O Misantropo (1665)

- Médico a força (1666)

- O Avarento (1668)

- Anfitrião (1668)

- O burguês fidalgo (1670)

- As sabichonas (1672)


Frases de Molière

- "Em qualquer negócio o dinheiro é a chave mestra."

- "Quem ri o que quer é rido o que não quer."

- 'Um tolo que não diz palavra não se diferencia de um sábio que se cala".

- "Todos os vícios, quando estão na moda, passam por virtudes".

- "Antes viver dois dias na terra do que mil anos na história".


Fonte: http://www.suapesquisa.com/biografias/moliere.htm

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!