Somos iguais nas nossas diferenças.

Nada de ficar perturbado também com o fato de que somos ridículos, não é verdade? Porque é realmente assim, nós somos ridículos, levianos, cheios de maus hábitos, sentimos tédio, não sabemos olhar, não sabemos compreender, ora, todos nós somos assim, nós todos, e tanto os senhores quanto eu, quanto eles! (..) Sabem, eu não compreendo como se pode passar ao lado de uma árvore e não ficar feliz por vê-la! Conversar com uma pessoa e não se sentir feliz por amá-la! Oh, eu apenas não sei exprimir... mas, a cada passo, quantas coisas maravilhosas existem, que até o mais desconcertado dos homens as acha belas? Olhem para uma criança, olhem para a alvorada de Deus, olhem para a relva do jeito que cresce, olhem para os olhos que os olham e os amam..."

Fiódor Dostoiévski, O Idiota.
Tradução: Paulo Bezerra, Editora 34.

Fonte: Mundo de Livros / https://www.facebook.com/blogmundodelivros/?hc_ref=NEWSFEED&fref=nf
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!