Agosto é mês de grandes escritores nacionais

Imagem
Fonte :https://academiapopulardeletras.wordpress.com/2015/08/24/agosto-e-mes-de-grandes-escritores-nacionais/
Agosto é um grande mês para a literatura. É um mês que marca o nascimento de vários autores importantes nacionais e estrangeiros. Destacamos aqui quatro escritores brasileiros, que merecem ser lidos, relidos e descobertos por quem ainda não os leu. 
Confira:
10/08/1912 – JORGE AMADO Nasceu na Bahia e mudou-se, em 1930, para o Rio de Janeiro. Aos 19 anos publicou seu primeiro livro, O País do Carnaval (1931). Entre suas importantes obras estão Mar Morto, Capitães de Areia, O Mundo da Paz, Tocaia Grande e Grabriela, Cravo e Canela. É um escritor da segunda geração modernista. 20/08/1889 – CORA CORALINA Nasceu na Cidade de Goiás (GO), batizada de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas. Apesar da pouca escolaridade, aos 14 anos começa a publicar contos e poemas em periódicos da cidade sob o pseudônimo Cora Coralina. Poeta e contista, autora de obras como Poemas dos Becos de Goiás e Estór…

Projeto Poesia às 2as.feiras


JUNQUEIRA, Sonia ; FARGAS, Flávio (ilust.) Poesia na varanda. Belo Horizonte, Autêntica, 2012. 24p.

Brotou do chão a poesia
na forma de uma plantinha
espigada, perfumosa,
se abrindo toda para mim:
mensageiro da alegria,
era um pé de alecrim
que dourou a minha vida...

Passou por mim a poesia
na forma de uma gatinha
amarela, tão macia!,
uma bola peludinha
que chegou bem de mansinho...
Batizei-a de Chiquinha,
fiquei com ela pra mim.

Entrou em mim a poesia
na forma de uma canção
que falava de uma rua
com pedrinhas de brilhantes
e de um anjo solitário
que vivia por ali
e roubou um coração.

Gritou no mato a poesia
quando caiu a noitinha:
era um concerto de grilos,
tantos astros em seresta,
pois era dia de festa,
e dentro da boca da noite
cantaram um coro sem fim...

Brilhou em mim a poesia
na forma de lua cheia
e de um ceu estrelado
despencando no telhado
de zinco do avarandado,
pronto para ser pisado
por alguém bem distraído.

Cresceu em mim a poesia
na forma de uma tristeza,
um chorinho derramado
no silêncio da varanda.
Veio vindo, foi chegando
-- carregada pelo vento? --
e tomou conta de mim.

Caiu do ceu a poesia
na forma de uma chuvinha,
pingos grossos, cheiro doce,
que molhou as redondezas,
encharcou os meus cabelos,
inundou a minha vida
e levou minha tristeza.

Sorriu pra mim a poesia
na forma de um amigo
-- mão estendida, carinho,
e estar juntos, quietinhos
ou ouvindo, ou contando,
ou rindo e barulhando...
e abraçou minha vida.

Me arrebatou a poesia
trazida pelas palavras
abrigadas entre as páginas
do livro que alguém lia
e que deixou por ali:
mundo entrando pelos olhos,
enriqueceu minha vida.

Agora, sempre que quero
saber cadê a poesia,
dou um pulo na varanda,
me debruço -- e espero:
quem sabe de repente
ela volta, e simplesmente,
vem contar por onde anda...

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!