Projeto Poesia às 2as.feiras

Imagem
GULLAR, Ferreira. Glauber morto. IN: Toda poesia (1950-1999). 10ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 2001. p.351

O morto não está de sobrecasaca
não está de casaca
não está de gravata.

O morto está morto

não está barbeado
não está penteado
não tem flor na lapela
um flor 
na calça
sapatos de verniz

não finge de vivo
não vai tomar posse 
na Academia.

O morto está morto
em cima da cama
no quarto vazio.

Como já não come
como já não morre
enfermeiras e médicos
não se ocupam mais dele.

Cruzaram-lhe as mãos
ataram-lhe os pés.

Só falta embrulhá-lo
e jogá-lo fora.



Projeto Poesia às 2as.feiras


JOSÉ, Elias ; RAQUEL, Ana (ilust.) Vida de João de barro. IN: Bicho que te quero livre. 2a.ed., São Paulo, Moderna, 2002. p.29

No jornal, o João de barro anunciou:
Compro um galho de uma árvore
velha, resistente, frondosa e bonita.
Quero casar. Preciso de casa.

Como era muito querido
e admirado pelas casas que fazia,
toda ave o ajudou a achar o lugar.

A melhor sugestão foi do Bem te vi,
que tudo via e dava notícias.

E o João de barro suspendeu a casa,
caprichou na cozinha, nos quartos,
no banheiro, nas salas e no corredor.

Só não vai precisar de jardim,
pois, abrindo a porta da sala,
será dono de toda a natureza.

A decoração será de Joana.

Ele só para a construção para jogar
beijos e abraços para a noivinha.

Da árvore vizinha, Joana olha tudo.
Dá palpites, ri feliz
e sonha com o dia do casamento.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!