Conheça nosso Sistema de Bibliotecas.

Imagem
Saiba mais: 
O Sistema de Bibliotecas Públicas de Guarulhos é composto pela Biblioteca Central Monteiro Lobato, Bibliotecas ramais e Bibliotecas especializadas. A Biblioteca Monteiro Lobato milhares de livros e dezenas de títulos de periódicos, que em sua maioria, podem ser retirados para empréstimo. Disponibiliza gratuitamente os serviços de empréstimo, consulta e orientação à pesquisa. Além de contar com espaços como a Gibiteca e Mangateca, Troca Livros e o Espaço Braille Profª Alice Ribeiro. Fazendo seu cadastro em uma das bibliotecas, automaticamente ele valerá para as demais bibliotecas do sistema (com exceção da ramal localizada no Jardim Guaracy). 

Confira regulamento, consulte os endereços das demais bibliotecas e pesquise nosso acervo.

Projeto Poesia às 2as.feiras


BATISTA, Márcia; HADDAD, Mariângela (ilust.) Uma ponte, um rio, o Pedro e o Zezinho. 2a.ed. São Paulo, Scipione, 1991. 24p. (Do-re-mi-fá)


Havio um rio,
havia uma ponte.
Por cima do rio
passava a ponte.
Por baixo da ponte
passava o rio.
Irmãos no caminho,
companheiros e amigos
se falavam de longe
sem nunca se tocarem...



Por cima da ponte
passava todo dia
o Zezinho, filho do seu Bento,
levando o leite
prá Sinhá Maria.
Por baixo da ponte,
por cima do rio,
passava todo dia
o Pedro, filho da Dona Vitória,
levando pra casa
o peixe que pescara...



-- Ói, Zezinho! Já vai ocê
levando o leite, hein?! --
dizia o Pedro no seu barquinho.
-- Ói, Pedro! Já vai ocê
levando o peixe, hein?! --
dizia o Zezinho do alto da ponte.

Irmãos no caminho,
companheiros e amigos
se falavam de longe
sem nunca se tocarem.
E a ponte e o rio,
e o Pedro e o Zezinho.
A ponte de bambu e corda,
o rio cor da terra que corta.
A ponte balança e dança,
o rio corre manso e canta.

Mas um dia um vento forte
balança a ponte descontrolada.
Chega o Zezinho e olha e olha
e põe o pé e o outro pé e estremece.
-- É coisa ruim, eu hoje tô com medo --
diz o Zezinho estremecido.
Embaixo da ponte descontrolada,
o rio corre ligeiro e encrespado.
Vem o Pedro no barquinho
e põe força e força no remo.
-- É coisa ruim, eu hoje tô com medo --
diz o Pedro já cansado.
E vai um e vai o outro
e hoje nem se falam.
E vão chegando devagarinho
cada um no meio do seu caminho.

E o Zezinho firma o pé
e o Pedro aperta o remo.
Mas o vento descabelado
balança, balança a ponte.
E o Zezinho apavorado
vê o leite que levava
voar e manchar de branco
a água barrenta embaixo da ponte.
O Pedro bem que faz força,
mas a água é mais ligeira
e pra longe seu remo leva.

Desorientado, com um remo só,
ele escuta o barulho do Zé
que balança com a ponte
e cai
na água escura do rio.
O Zezinho sobe e desce
na água do rio barrento.
E o Pedro, desgovernado,
só desce e desce.
O Pedro aflito grita:
-- Zé, segura o remo pr'eu te puxá!
E o Zezinho sobe e desce
e tenta se aproximar,
mas o barco desce e desce.

O Pedro deita no barco
e estica o corpo e o remo
e o Zé, no sobe e desce,
estica o braço e agarra o remo.
Desce agora o barco
na água que corre ligeira
levando o Pedro, e o Zé no remo.

Mas lá na frente tem pedra
e o Pedro sabe disso.
Daí ele grita pro Zé
dar um jeito de subir.

Agora os dois, no barco juntos,
o Zezinho com o braço
e o Pedro com o remo,
aproveitam um momento,
em que o vento respira e pára,
e conseguem no barranco encostar.
Desce rápido o Pedro
com a corda na mão
e amarra o barco num galho.
Logo atrás vem o Zezinho
como os olhos arregalados
e tremendo de frio.

A água barrenta corre ligeira.
O barco vai, mas pára,
e o Pedro mais o Zezinho
vão se olhando devagarinho.
O Zezinho todo molhado
e o Pedro descabelado
se olham, se tocam, se abraçam.
-- Êta, que susto danado!
e que danado de medo eu tive!
dizem juntinhos os dois.

E os irmãos no caminho,
companheiros e amigos
se falam de perto,
se riem, se tocam.

E havia um rio,
e havia uma ponte.
Por cima do rio
passava a ponte.
Por baixo da ponte
passava o rio.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!

Programa Agentes de Leitura