Biblioteca Indica: Sempre é tempo para bons sentimentos. Histórias de amor, paz, amizade, esperança, fé, lealdade, gratidão e solidariedade.

Imagem
"Todo o nosso conhecimento se inicia com sentimentos."


SCHOLES, Katherine; INGPEN, Robert. Tempos de paz. Localização: J S391t A Unesco, desde sua criação no final da Segunda Guerra Mundial, já declarava: As guerras nascem no espírito dos homens; logo, é no seu espírito que precisam ser erguidos os baluartes da paz. Aprenda a resolver pacificamente os problemas de sua vida - primeiro que tudo. Isso porque a paz começa com você. No seu próprio quintal. Ainda há as imagens belíssimas de Robert Ingpen que interagem com o tom questionador e reflexivo do livro. Sua leitura contribuirá para sensibilizar a criança a ter uma relação harmoniosa consigo mesma, com os outros e com a natureza.

GEE, Darien; KLESCK, Alice. O pão da amizade. Localização: F G263p Um presente anônimo conduz uma mulher a uma jornada que ela jamais poderia imaginar. Certa tarde, Julia Evarts e Gracie, sua filha de cinco anos, chegam em casa e encontram um presente na varanda da frente: um pão da amizade com o simpl…

Projeto Poesia às 2as.feiras


CHAMLIAN, Regina ; ALEXANDRINO, Helana (ilust.) Vi uma estrela lá fora. 2a. ed., São Paulo, Paulinas, 2005. 24p.

Se entro num buraco escuro, 
me escondo lá dentro e, juro, 
não saio dali nunca mais...
... Olho pro lado de fora, 
do galho cai uma amora, 
cruza o caminho um gatinho, 
eu vou atrás.

Subo uma escadaria, 
tanto degrau, tão comprida, 
me tranco no quarto do fundo, 
longe da cara do mundo 
e atiro num poço a chave.

Mas passa voando uma ave
e grita na minha janela. 
Ave gritando dá sorte, 
me agarro nela bem forte 
e saio voando com ela.

Se uma rosa do jardim parece não gostar de mim,
minha rosa predileta seu espinho me espeta,
a dor custa tanto a passar,
e o que adianta assoprar ou passar pomada?

Mas se alguém me faz carinho e fala devagarinho
"Isso não é nada",
eu choro bem de mansinho,
carinho é melhor que pomada.

Entro dentro de uma caixa
onde ninguém me acha
e pergunto em segredo:
-- Espelho, espelho meu,
existe alguém mais triste do que eu?
Branca de Neve, majestade?
Julieta? Romeu?
Será que o mundo inteiro
me esqueceu?
Ninguém me achará
dentro da caixa?

Mas olhando pouco além do meu espelho,
vejo os olhos vermelhos de um coelho.
Uma estrela cai no mar, o coelho salta.
Saio da caixa.
-- Cadê o coelho, espelho meu?
Aperto o passo e logo vou em seu encalço.

Se alguém briga comigo ou se fico de castigo,
Me enrolo feito lombriga, só ligo pro meu umbigo.

Mas se de repente um amigo vem correndo pela rua
é como se a luz da lua brilhasse no meu caminho.
Já não me sinto sozinho, viver não é tão perigoso.

Rio alto, rio à toa,
dou um abraço amoroso.
Viver é uma coisa boa.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!

Programa Agentes de Leitura