Projeto Poesia às 2as.feiras

Imagem
GULLAR, Ferreira. Glauber morto. IN: Toda poesia (1950-1999). 10ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 2001. p.351

O morto não está de sobrecasaca
não está de casaca
não está de gravata.

O morto está morto

não está barbeado
não está penteado
não tem flor na lapela
um flor 
na calça
sapatos de verniz

não finge de vivo
não vai tomar posse 
na Academia.

O morto está morto
em cima da cama
no quarto vazio.

Como já não come
como já não morre
enfermeiras e médicos
não se ocupam mais dele.

Cruzaram-lhe as mãos
ataram-lhe os pés.

Só falta embrulhá-lo
e jogá-lo fora.



Mundo dos Quadrinhos



Elfen Lied



Elfen Lied é uma série japonesa de mangá criada pelo Mangaka Lynn Okamoto.
Elfen Lied mostra uma evolução da humanidade, os Dicornius. Os Dicornius se parecem muito com humanos normais, porém, possuem algumas diferenças: Uma glândula pineal de tamanho exagerado , um par de pequenos chifres em suas cabeças, olhos e cabelos avermelhados/rosados, e conseguem sentir a presença de outros de sua espécie. Como resultado da mutação na glândula pineal, possuem telecinese; desenvolvem estruturas de natureza desconhecida, de ação física similar à de braços, denominados vectors. Por causa dessas características especiais, os Dicornius sofrem preconceito; tanto por medo de suas potencialidades quanto por interesse da espécie humana. Uma relação de extermínio e uso se estabelece; os humanos desejam exterminar os Dicornius, mas antes, aproveitam-se deles para pesquisas, e os Dicornius desejam eliminar os humanos por vingança pelos maus tratos e sofrimentos causados pelos humanos.
Os Dicornius nascem de pessoas normais, mas cujo pai ou a mãe foi infectado com um dos vectors de outro Dicornius no seu cérebro. A sociedade Dicornius é mínima e possui uma tênue organização. Contudo, essa tênue organização ainda assim possui os meios de levar a espécie humana à extinção. Durante a história, há o uso de um termo recorrente no jargão ideológico do Nacional Socialismo, Lebens (Vital), tal como uso do característico discurso de impossibilidade de convivência encontrado no Mein Kampf e nas políticas de Apartheid.
A história se passa na cidade japonesa Kamakura, e começa com a fuga de Lucy, uma poderosa Dicornius Rainha (por ser naquele momento a única com o poder de reprodução através dos vectores), de uma ilha, um centro de pesquisas, fortemente protegido por gente armada, com uma instalação científica enorme. Na tentativa de impedi-la, um sniper acaba acertando seu capacete e a derruba no mar. Depois ela é encontrada por Kouta e sua prima Yuka na praia da cidade, sem roupas, sem memória alguma. Com comportamento de uma criança pequena, a única coisa que conseguia falar era "Nyuu". Por ela só saber falar isso, eles acabam chamando-a de "Nyuu" mesmo. Depois ela acaba por ir morar com Kouta, numa antiga pensão fechada, que ele tinha alugado para morar enquanto estudava na universidade. Enquanto isso, o pessoal que trabalha no laboratório está desesperado atrás da Lucy, e enviam assassinos profissionais e outras Dicornius atrás dela.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!