O caminho dos livros

A história de P. V. P. S., 18 anos, poderia ser apenas mais uma entre tantas outras trajetórias sofridas da juventude brasileira, não tivesse o gosto pela leitura acometido o jovem. Da internação sob regime do Estatuto da Criança do Adolescente (ECA) à faculdade: aprovado no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), P. credenciou-se a cursar engenharia civil e virou mais uma página em sua vida.
Sobre a importância dos livros na conquista de uma vaga no ensino superior e no redirecionamento das expectativas em relação ao futuro, P. é categórico. “O meu pouco passado e todo o meu futuro”, definiu. “Eu vi que ali estava a oportunidade de fazer minha mãe parar de chorar”.

Às vésperas de deixar a Unidade de Internação de Saída Sistemática (UISS), no Distrito Federal (DF), o socioeducando falou sobre a opção pela engenharia civil. “Meu pai era pedreiro. De vez em quando, ele me levava para as obras e me mostrava o engenheiro e falava que eu tinha que ser engenheiro”, explicou. “A primeira coisa que eu quero fazer é uma casa maior p ara minha mãe”.

Educação e profissionalização
Em entrevista exclusiva ao Portal Brasil, Cássia Fernandes, diretora da UISS, argumentou que a redução da maioridade penal não constitui instrumento capaz de arrefecer a violência no País. De acordo com ela, a maioria dos crimes são cometidos por adultos.

Tal medida, por si só, não vai reduzir a violência e a criminalidade”, lamentou. “As pessoas pensam que (...) vai fazer, de alguma forma, esse jovem deixar de se envolver com a violência e a criminalidade”, acrescentou.

Cássia lembrou que a socioeducação, prevista no ECA e consagrada pela Constituição de 1988, é uma política construída levando em consideração todas as características do período da adolescência.

O foco, eu acredito, deve ser a educação e a profissionalização. A gente tem que oferecer perspectivas para a nossa juventude e não condená-la à prisão (...)”, criticou. “Puni-la, de acordo com sua responsabilidade, cerceá-la a liberdade, caso for preciso, mas, acima de tudo, investir para que esse jovem (...) acredite que possa construir uma nova história e se desvincular de um meio que só lhe trouxe prejuízos”.

Fonte: www.brasil.gov.br/ www.blogdogaleno.com.br

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!

Programa Agentes de Leitura