Projeto Poesia às segundas-feiras


ELIOT, T.S.; JUNQUEIRA, Ivan (trad.) Um cântico para Simeão IN: Poesia. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1981. p.135 (Poiesis)

Senhor, os jacintos romanos estão florindo nos vasos
E o sol do inverno resvala sobre as colinas de neve.
Rendeu-se a quadra obstinada.
Minha vida é luz, à espera do sopro da morte,
Tal uma pluma no dorso de minha mão.
A poeira entre os raios de sol e a memória nos cantos
Aguardam o vento que esfria rumo à terra morta.

Concede-nos tua paz
Muitos anos caminhei nesta cidade,
Guardei fé e jejum, poupei para os pobres,
Dei e recebi honra e conforto.
Ninguém jamais de minha porta repeli
Quem se recordará de minha casa, onde viverão os filhos de meus filhos?
Quando vier o tempo do infortúnio?
Buscarão eles a trilha da cabra e a toca da raposa,
Esquivando-se às faces e às espadas forasteiras.

Antes do tempo das cordas e dos flagelos e dos lamentos
Concede-nos tua paz.
Antes das estações na montanha da desolação,
Antes da hora certa da aflição materna,
Agora, nesta quadra em que morte se avizinha,
Possa o Infante, o Verbo inexpresso e impronunciado ainda,
Conceder a consolação de Israel
A quem tem oitenta anos e nenhum amanhã
Conforme tua palavra.

Eles te haverão de exaltar e de sofrer em cada geração
Com glória e escárnio,
Luz sobre luz, galgando a escada dos santos.
Não para mim o martírio, o êxtase do pensamento e da prece,
Não para mim a última visão.
Conceda-me tua paz.
(E uma espada trespassará teu coração,
O teu também)
Estou cansado de minha vida e da vida dos que virão depois de mim,
Estou morrendo de minha morte e da morte dos que virão depois de mim.
Deixa partir teu servo,
Após ter visto tua salvação.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!

Programa Agentes de Leitura