Projeto Poesia às segundas-feiras


ASEOKAINHA. Exílio da canção. IN: Cadernos negros, v.31. São Paulo, Quilombhoje, 2008. p.76

Minha terra tem Palmares
Onde canta o carcará;
Os atabaques que aqui golpeiam,
Golpeiam como acolá
Nossa pele tem  mas brilho
Nossa verve tem mais suores,
Nossas armas tem mais filhos
Nossas vidas mais labores.
Em fugir, da noite a sombra,
Mais prazer encontro em lutar;
Minha vida tem Palmares...
Minha terra tem horrores
Arrestados desde o mar;
Em fugir, da noite a sombra,
Mais prazer encontro em lutar;
Minha terra tem Palmares
Onde canta o carcará.
Permita Ogum que eu não tombe
Sem minha flecha lançar
Sem proteger os amores
Do quilombo que é o meu lar.
Nem qu'inda aviste as  palmeiras
Dos jardins dos orixás.
Mem qu'inda recite este verso
Nas quartinhas de Aruá.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!