Agosto é mês de grandes escritores nacionais

Imagem
Fonte :https://academiapopulardeletras.wordpress.com/2015/08/24/agosto-e-mes-de-grandes-escritores-nacionais/
Agosto é um grande mês para a literatura. É um mês que marca o nascimento de vários autores importantes nacionais e estrangeiros. Destacamos aqui quatro escritores brasileiros, que merecem ser lidos, relidos e descobertos por quem ainda não os leu. 
Confira:
10/08/1912 – JORGE AMADO Nasceu na Bahia e mudou-se, em 1930, para o Rio de Janeiro. Aos 19 anos publicou seu primeiro livro, O País do Carnaval (1931). Entre suas importantes obras estão Mar Morto, Capitães de Areia, O Mundo da Paz, Tocaia Grande e Grabriela, Cravo e Canela. É um escritor da segunda geração modernista. 20/08/1889 – CORA CORALINA Nasceu na Cidade de Goiás (GO), batizada de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas. Apesar da pouca escolaridade, aos 14 anos começa a publicar contos e poemas em periódicos da cidade sob o pseudônimo Cora Coralina. Poeta e contista, autora de obras como Poemas dos Becos de Goiás e Estór…

Projeto Poesia às segundas-feiras


ANDRADE, Carlos Drummond de. Tiradentes (com muita honra). IN: As impurezas do branco. 7a.ed. Rio de Janeiro, Record, p.82-84

Bandeira de uma república visionária
branca branca branca branca
república nunca proclamada
                  branca
                   rubra
do sangue do único republicano
em triângulo multiângulo de membros repartidos.

Lá vem o Liberdade pela Rua da Quitanda
lá vai o Liberdade, o Corta-Vento,
vai armando sua teia
que 100 anos não desfazem.
Cavaleiro boquirroto,
cavaleiro apaixonado,
com a garra da paixão
semeando rebelião:
- Despotismo
pobreza
beata ignorância
no chão de ouro das minas
riqueza mísera entre ferros.

Palavra cochichada, brasa oculta,
conversa bêbada na estalagem,
na casa de rameiras,
no varandão da fazenda,
no quarto de dormir do coronel,
no morro-sobe-desce-toda-vida.
(Ai Minas, que mil distâncias na distância
de ti a ti, peito enfurnado)

- Se todos fossem do meu ânimo...
Mas lá está a mão de Deus.
Pensamento rastilho
idéia fixa
prego pregado no futuro:
            liberdade
            americana.

Semelhantes traças 
nem pensar se deve
Frioleiras
disparates
parvoíces.

Fujam deste homem que ele está doido.
O demônio o tentou para tramar escândalos
que lhe hão de custar a prateada cabeça.

Quer os frutos da terra divididos
entre mazombos pretos índios
escolas fábricas país florente
               de livres almas
                americanas.

Solta a linguagem
dos insubmissos,
a arenga
dos desatinados
e até nas fábulas
que vai urdindo,
a louca palavra
dos verdadeiros.
Aluado
de jogar pedra,
de ser pateado
na Casa da Ópera,
de morrer na forca
morte infamante,
despedaçar-se
distribuir-se
pelos caminhos 
e consciências,
viver na glória.

(O perdido latim, a insensível trindade,
a fesfeita esperança?
O constante lembrar)

Lá vem, lá vai
o Corta-Vento pelas serranias
mantiqueiras.
No chão queimado
ainda retine
o tropel rosilho
de seu cavalo
enchendo o vale
o plaino, o espaço
americano.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!