Projeto Poesia às 2as.feiras

Imagem
GULLAR, Ferreira. Glauber morto. IN: Toda poesia (1950-1999). 10ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 2001. p.351

O morto não está de sobrecasaca
não está de casaca
não está de gravata.

O morto está morto

não está barbeado
não está penteado
não tem flor na lapela
um flor 
na calça
sapatos de verniz

não finge de vivo
não vai tomar posse 
na Academia.

O morto está morto
em cima da cama
no quarto vazio.

Como já não come
como já não morre
enfermeiras e médicos
não se ocupam mais dele.

Cruzaram-lhe as mãos
ataram-lhe os pés.

Só falta embrulhá-lo
e jogá-lo fora.



Mundo dos Quadrinhos


Moonshadow 

Criada por J. M de Matteis e ilustrada por Jon J. Muth, a série foi uma das primeiras histórias em quadrinhos cuja arte foi feita inteiramente por pintura. 

A história toma a forma de um idílico e peculiar conto de fadas para adultos, lidando com elementos filosóficos sobre a existência, contada através do ponto de vista de Moonshadow olhando para sua vida anterior. A ação diz respeito a eventos que levaram ao "despertar" de Moonshadow, o filho de uma hippie  e um alienígena enigmático, que se assemelha a uma esfera brilhante de luz tendo uma face humana estilizada. Sua mãe foi raptada da Terra em 1968 junto com seu gato de estimação, Frodo (uma referência a  personagem de Tolkien, na Trilogia Senhor dos Anéis). Quando o Moonshadow idealista e ingênuo se torna órfão aos 15 anos de idade, faz amizade com um venal e oportunista humanoide chamado Ira. Juntos, Moonshadow, Ira e Frodo, partem em busca de uma vida para si próprios nas estrelas passando por diversos mundos.

A Biblioteca Monteiro Lobato possui o exemplar em volume único da série.

1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!