Projeto Poesia às 2as.feiras

Imagem
GULLAR, Ferreira. O lampejo. IN: Toda poesia (1950-1999). 10ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 2001. p.356

O poema não voa de asa-delta
não mora na Barra
não frequenta o Maksoud.
Pra falar a verdade, o poema não voa:
anda a pé
e acaba de ser expulso da fazenda Utupu
                                           pela polícia.

Como mal dorme mal cheira a suor,
parece demais com o povo:
                                            é assaltante?
                                            é posseiro?
                                            é vagabundo?
frequentemente o detêm para averiguações
          às vezes o espancam
          às vezes o matam
          às vezes o resgatam
          da merda
                         por um dia
e o fazem sorrir diante das câmeras da TV
de banho tomado.

O poema se vende
                se corrompe
confia no governo
desconfia
de repente se zanga
e quebra trezentos ônibus nas ruas de Salvador.

O poema é confuso
mas tem o rosto da história brasileira:
               tisnado de sol
   …

Biblioteca Indica: Dia Internacional do Teatro


A arte dos palcos



SHAKESPEARE, William. Hamlet.
Localização: 82-2 S539h
Hamlet, de William Shakespeare, é uma obra clássica permanentemente atual pela força com que trata de problemas fundamentais da condição humana. A obsessão de uma vingança onde a dúvida e o desespero concentrados nos monólogos do príncipe Hamlet adquirem uma impressionante dimensãoA peça traça um mapa do curso de vida na loucura real e na loucura fingida — do sofrimento opressivo à raiva fervorosa — e explora temas como a traição, vingança, incesto, corrupção e moralidade.


SHAKESPEARE, William. Otelo.
Localização: 82-2 S539o
O ciúme ganhou dimensão clássica a partir de Otelo, que é personagem citado sempre como seu grande símbolo. Shakespeare vai fundo ao construir esta peça em que explora várias faces da alma humana. O pérfido Iago conduz Otelo a um ciúme enlouquecedor. O bravo mouro, veterano de terríveis batalhas e representante militar do reino de Veneza, capitula diante do mais mesquinho sentimento em relação à bela Desdêmona...


BRECHT, Bertold. O círculo de giz caucasiano.
Localização: 82-2 B841c
Peça escrita ao final da Segunda Guerra Mundial, durante o exílio americano de Bertolt Brecht. O dramaturgo alemão questionava-se sobre a disputa global ao escrever este drama em que duas fazendas coletivas disputam a posse de um vale fértil. Para resolver a questão elas recorrem a um bardo local, que lhes conta a história do círculo de giz na Geórgia.


MOLIÈRE. Tartufo.
Localização: 82-2 M733a
Gênio da literatura francesa e universal, autor de várias obras-primas, Molière adotou as formas tradicionais da comédia e revitalizou-as em um novo estilo, dando-lhes um caráter inimitável. Molière foi autor, ator, diretor da maioria das peças que encenou. Na comédia O Tartufo ou O Impostor, por meio de um diálogo de enorme sutileza e força cômica, o autor apresenta a figura de um homem sensual e lascivo que, sob a aparência de asceta virtuoso, consegue aproveitar-se da confiança de seu protetor, inclusive voltá-lo contra a família, e só é desmascarado quando tenta seduzir a dona de casa. A crítica à hipocrisia religiosa levantou contra Molière o clero católico, que conseguiu proibir a peça por cinco anos. 


SÓFOCLES. Édipo Rei.
Localização: 82-2 S664e
A carreira de Sófocles como autor teatral foi marcada por êxitos esplêndidos. Sua primeira premiação ocorreu em 468 a.C., quando, com 28 anos, apresentando o Tripólemo, triunfou de Ésquilo. Ao todo, teve o primeiro lugar 18 vezes nas Dionísias, e 6 vezes nas Leneias. No drama sofocliano, Édipo, embora em algumas situações tenha atitudes violentas e arrebatadores, é também o homem generoso, compassivo, que se aflige com a dor de seu povo, assume prontamente as suas responsabilidades para com Tebas; o homem franco, sincero, com um terrível amor à verdade: mesmo com o risco de sua segurança, de sua honra e de sua vida, procura, insistentemente, conhecê-la toda. E é isso que o perde.


PIRANDELLO, Luigi. Seis personagens em busca de um autor.
Localização: 82-2 P74s
Escrita em 1921, Seis personagens à procura de autor, relata um ensaio de teatro. O ensaio é invadido por seis personagens que, rejeitadas por seu criador, tentam convencer o diretor da companhia a encenar suas vidas. As discussões entre as personagens e o diretor compõem uma análise filosófica do teatro. Assim, o peso da peça divide-se entre a narrativa em si, e os aspectos paratextuais, que ganham a cena.


TENNESSEE, Williams. Um bonde chamado desejo.
Localização: 82-2 W691b
Retrato de uma sociedade decadente, personificada por Blanche DuBois, uma bela mulher que volta para a casa da irmã por não ter mais para onde ir. À beira da loucura, traumatizada e sofrida, ela entra em confronto com o mundo rude e viril do cunhado, Stanley Kowalski. Essa tensão, estabelecida entre o refinamento e a brutalidade, mostra uma família em ruínas num mundo conflitante, sem lugar para o amor e para a sensibilidade. 

IBSEN, Hibik. Casa de bonecas.
Localização: 82-2 I21c
No final do século XIX a crise das instituições e a moral burguesa entram em cena. Os personagens se livram das máscaras e vivem, solitários, sua verdade. Dessa forma Nora Helmer, a mulher-boneca, renuncia à confortável mentira e elege o risco de ser ela mesma. Precisa de uma nova identidade, de uma nova moral. Para viver, abandona marido e filhos, rompendo amarras, derrubando tabus. 


PENA, Martins. O noviço.
Localização: 82-2 P545n
O dramaturgo soube apresentar com graça e simplicidade as intrigas triviais da vida de roceiros, viúvas assanhadas, juízes corruptos, moças casadouras, enfim, espelhava no palco, por meio de tipos caricatos, o cotidiano conhecido do público. E, nesse espelhamento bem- humorado, punia os maus, premiava os bons, satirizava os poderosos e colocava em prática a ideia já antiga de que é rindo que se corrigem os vícios e se aperfeiçoam as virtudes. 

BECKETT, Samuel. Esperando Godot.
Localização: 82-2 B356e
Obra-prima do dramaturgo, romancista e poeta irlandês Samuel Beckett (1906-1989), ganhador do Prêmio Nobel de Literatura em 1969, o clássico ganha reedição com tradução do professor de teoria literária da USP Fábio de Souza Andrade. Escrita em francês, a peça estreou em 1953 e se tornou um divisor de águas no teatro do século passado. Na história, dois vagabundos aguardam infinitamente, num descampado, a vinda do senhor Godot, que nunca aparece. 


O’NEILL, Eugene. Longa jornada noite adentro.
Localização: 82-2 O67L
Eugene O'Neill foi o segundo norte-americano a ganhar o Nobel de Literatura. Na juventude, teve uma vida aventureira: foi expulso da elitista Universidade de Princeton; tentou ganhar a vida, sem sucesso, em Honduras e na Argentina. Foi ator e jornalista antes de começar a escrever para o teatro. - Longa jornada noite adentro é uma de suas peças mais conhecidas. Focaliza um dia da família Tyrone. Os pais e dois filhos, em que as personagens se encontram e deixam vir a tona suas fraquezas, ressentimentos e frustrações.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!

Programa Agentes de Leitura