Agosto é mês de grandes escritores nacionais

Imagem
Fonte :https://academiapopulardeletras.wordpress.com/2015/08/24/agosto-e-mes-de-grandes-escritores-nacionais/
Agosto é um grande mês para a literatura. É um mês que marca o nascimento de vários autores importantes nacionais e estrangeiros. Destacamos aqui quatro escritores brasileiros, que merecem ser lidos, relidos e descobertos por quem ainda não os leu. 
Confira:
10/08/1912 – JORGE AMADO Nasceu na Bahia e mudou-se, em 1930, para o Rio de Janeiro. Aos 19 anos publicou seu primeiro livro, O País do Carnaval (1931). Entre suas importantes obras estão Mar Morto, Capitães de Areia, O Mundo da Paz, Tocaia Grande e Grabriela, Cravo e Canela. É um escritor da segunda geração modernista. 20/08/1889 – CORA CORALINA Nasceu na Cidade de Goiás (GO), batizada de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas. Apesar da pouca escolaridade, aos 14 anos começa a publicar contos e poemas em periódicos da cidade sob o pseudônimo Cora Coralina. Poeta e contista, autora de obras como Poemas dos Becos de Goiás e Estór…

Projeto Poesia às segundas-feiras


WHITMAN, Walt; MEIRA, Luciano Alves (Trad.) Folhas de relva. São Paulo, Martin Claret, 2006. p.378

Para aquele que foi crucificado

Meu espírito para o teu, querido irmão,
Não te preocupes porque muitos que dizem teu nome não te compreendem,
Não digo teu nome, mas compreendo-te.
Especifico-te com alegria, ó meu companheiro, para saudar-te e para saudar aqueles que /estão contigo, antes e desde então, e aqueles que estão por vir igualmente,
Que todos possamos trabalhar junto, transmitindo o mesmo conteúdo e a mesma sucessão,
Poucos de nós igualmente, indiferentes às terras, aos tempos,
Nós, que contemos todos os continentes, todas as castas, que permtitimos todas as /teologias,
Que sentimos compaixão, que percebemos, que nos comunicamos com os homens,
Andamos em silêncio entre disputas e afirmações, sem rejeitar os que disputam ou qualquer /coisa que eles afirmem,
Ouvimos os gritos e os alaridos, somos alcançados pelas divisões, pelo ciúme, pelas /recriminações de todos os lados,
Eles se fecham peremptoriamente sobre nós para nos cercar, meu companheiro,
E, contudo, saímos intocados, livres, e pela terra jornadeamos, para lá e para cá, até que /deixemos nossa marca irreconhecível sobre o tempo e as diversas eras,
Até que saturemos o tempo e as eras, até que os homens e as mulheres das raças e idades /por vir possam demonstrar tanta fraternidade e amor quanto nós.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!