Biblioteca Indica: Sempre é tempo para bons sentimentos. Histórias de amor, paz, amizade, esperança, fé, lealdade, gratidão e solidariedade.

Imagem
"Todo o nosso conhecimento se inicia com sentimentos."


SCHOLES, Katherine; INGPEN, Robert. Tempos de paz. Localização: J S391t A Unesco, desde sua criação no final da Segunda Guerra Mundial, já declarava: As guerras nascem no espírito dos homens; logo, é no seu espírito que precisam ser erguidos os baluartes da paz. Aprenda a resolver pacificamente os problemas de sua vida - primeiro que tudo. Isso porque a paz começa com você. No seu próprio quintal. Ainda há as imagens belíssimas de Robert Ingpen que interagem com o tom questionador e reflexivo do livro. Sua leitura contribuirá para sensibilizar a criança a ter uma relação harmoniosa consigo mesma, com os outros e com a natureza.

GEE, Darien; KLESCK, Alice. O pão da amizade. Localização: F G263p Um presente anônimo conduz uma mulher a uma jornada que ela jamais poderia imaginar. Certa tarde, Julia Evarts e Gracie, sua filha de cinco anos, chegam em casa e encontram um presente na varanda da frente: um pão da amizade com o simpl…

Projeto Poesia às segundas.feiras




O dia derradeiro

O céu estava coberto. Ninguém se decidia.
Um vento leve soprava. "Não é o grego, é o siroco" disse alguém.
Alguns esguios ciprestes pregados na encosta e o mar
Cinzento, com poças de luz, um pouco mais distante.
Os soldados apresentavam armas quando o chuvisco principiou a cair.
"Não é o grego, é o siroco." Foi a única coisa que se ouviu.
Entretanto, sabíamos que a partir da madrugada seguinte
Nada nos restaria, nem mesmo a mulher que junto a nós bebia o sono.
Nem mesmo a lembrança de havermos sido, outrora, homens,
Nada, partir da madrugada seguinte.

"Este vento lembra a primavera" dizia a amiga que caminhava junto de mim,
Olhando ao longe, "a primavera
Caída de repente em pleno inverno perto do mar fechado.
Primavera tão imprevista. Tantos anos se passaram. Como vamos morrer?

Uma marcha fúnebre errava na chuva fina.
Como morre um homem? É estranho, ninguém pensou nisso
A não ser como se pensa em antigas crônicas do tempo das Cruzadas.
Ou da batalha de Salamina.
E no entanto a morte é qualquer coisa que chega. Como morre um homem?
E entretanto cada qual ganha a sua morte, sua própria morte, a que não pertence
A ninguém mais.
E esse jogo é a vida.

A luz descia do céu coberto, ninguém se decidia.
Na madrugada seguinte, nada restaria, seria preciso entregar tudo
Mesmo nossas mãos,
E nossas mulheres cativas, reduzidas a carregar água,
E nossos filhos nas pedreiras
Minha amiga cantava andando junto de mim um pedaço de canção:
"Na primavera... no verão... ilhotas..."
Lembrávamos velhos mestres que nos deixaram órfãos.
Passou um casal, dizia um deles:
"Irrita-me demais o crepúsculo, voltemos a casa,
Voltemos a casa para acender a luz.

                                                               Atenas. Fevereiro de 1939

SEFERIS, Giorgos. Poemas. Rio de Janeiro, Opera Mundi, 1971, p.159 (Biblioteca dos Prêmios Nobel de Literatura)


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!

Programa Agentes de Leitura