Projeto Poesia às segundas-feiras

capa do livro Sonetos, de Shakespeare
Descortinei o inverno ao me afastar de ti,
De ti, delícias do ano que jamais perdura!
Que dias negros e que gelos não senti;
Que nudez de dezembro velho por moldura!

Era contudo pleno estio esta ocasião,
E, à espera de opulenta prole, a hora do outono,
Trazendo o fardo voluptuoso do verão,
Como a esposa, já morto o seu senhor e dono:

Mas essa larga geração me parecia
Fruto sem pai, futuros órfãos tão-somente:
Porque o verão te segue, e mais sua alegria,

E os pássaros não cantam quando estás ausente.
Ou, caso cantem, de modo se entristecem,
Que as folhas por temor do inverno empalidecem.

SHAKESPEARE, William; RAMOS, Péricles Eugênio da Silva (Tradução) Sonetos. 4.ed. Rio de Janeiro, Ediouro, p. 97 (Clássicos de bolso).

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!