Projeto Poesia às 2as.feiras

Imagem
GULLAR, Ferreira. Glauber morto. IN: Toda poesia (1950-1999). 10ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 2001. p.351

O morto não está de sobrecasaca
não está de casaca
não está de gravata.

O morto está morto

não está barbeado
não está penteado
não tem flor na lapela
um flor 
na calça
sapatos de verniz

não finge de vivo
não vai tomar posse 
na Academia.

O morto está morto
em cima da cama
no quarto vazio.

Como já não come
como já não morre
enfermeiras e médicos
não se ocupam mais dele.

Cruzaram-lhe as mãos
ataram-lhe os pés.

Só falta embrulhá-lo
e jogá-lo fora.



Projeto Poesia às segundas-feiras


O cosmos é o seu santuário
Salmo 150

Louvai o Senhor nos cosmos
Seu santuário
de um raio de cem mil milhões de anos luz
Louvai-O pelas estrelas
e o espaço entre elas
louvai-O pela via-láctea
e os espaços entre as galáxias
louvai-O pelos átomos
e os espaços interatômicos
Louvai-O com o violino e a flauta
e com o saxofone

louvai-O com os clarinetes e o chavelho
com cornetas e trombones
cornetins e trombetas
louvai-O com violas e violoncelos
com pianos e pianolas
louvai-O com blues e jazz
e com orquertras sinfônicas
com os spirituals dos Negros
e a 5ª de Beethoven
com violões e marimbas
louvai-O com toca-discos
e fitas magnetofônicas

Que tudo o que respira louve o Senhor
toda célula viva

ALELUIA

CARDENAL, Ernesto. As riquezas injustas: antologia poética. São Paulo, Círculo do Livro, c.1977. p.32.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!