Projeto Poesia às segundas-feiras


Uma estação -- o outono -- em mim tu podes ver:
Já a folhagem é rara, ou nula, ou amarelada,
Nos ramos que gelado vento vem bater,
Coros em ruína, onde cantava a passarada.

Em mim contemplas o clarão crepuscular,
Quando no ocaso, posto o sol, se esvai o dia:
Segunda morte, que faz tudo repousar,
Agora mesmo o levará noite sombria.

Em mim divisas uma chama a fulgurar
Nas cinzas de uma juventude já perdida,
Como em leito final onde haja de expirar,

Só por aquilo que a nutria consumida.
Isso é o que vês, e teu amor fica mais forte,
Para amar o que logo perderás na morte.

SHAKESPEARE, William. RAMOS, Péricles Eugênio da Silva (Tradução) Sonetos. 4a.ed. Rio de Janeiro, Ediouro, p.87 (Clássicos de bolso)
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!

Programa Agentes de Leitura