Projeto Poesia às segundas-feiras


Como vai longe o dia, Maninho,
em que a gente podia ser comum

Entre ervas burras, folhas molhadas de mamona
e salsa
a gente podia ser
simplesmente
nossas mãos nossos pés nossos cabelos
e o que queimava dentro
no escuro

Como vai longe o tempo como as águas
batendo na amurada
alegremente

como os peixes
vivendo no seu músculo
o mistério do mundo

(julho, 1970)

GULLAR, Ferreira. Dentro da noite veloz; Poema sujo. São Paulo, Círculo do Livro, 19(-), p. 22.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!