Projeto Poesia às segundas-feiras

Errância
Só porque
erro
encontro
o que não se procura

só porque
erro
invento
o labirinto

a busca
a coisa
a causa da
procura

só porque
erro
acerto-me
construo.

Margem de
erro: margem
de liberdade

FONTELA, Orides. Poesia reunida: 1969-1996. São Paulo, Cosac Naif; Rio de Janeiro, 7 Letras, 2006. p.202
Postar um comentário