Conheça nosso Sistema de Bibliotecas.

Imagem
Saiba mais: 
O Sistema de Bibliotecas Públicas de Guarulhos é composto pela Biblioteca Central Monteiro Lobato, Bibliotecas ramais e Bibliotecas especializadas. A Biblioteca Monteiro Lobato milhares de livros e dezenas de títulos de periódicos, que em sua maioria, podem ser retirados para empréstimo. Disponibiliza gratuitamente os serviços de empréstimo, consulta e orientação à pesquisa. Além de contar com espaços como a Gibiteca e Mangateca, Troca Livros e o Espaço Braille Profª Alice Ribeiro. Fazendo seu cadastro em uma das bibliotecas, automaticamente ele valerá para as demais bibliotecas do sistema (com exceção da ramal localizada no Jardim Guaracy). 

Confira regulamento, consulte os endereços das demais bibliotecas e pesquise nosso acervo.

Projeto Poesia às segundas-feiras

capa do livro Antologia poética de Patativa do Assaré
capa da Antologia poética
O que é folclore?
De conservar o folclore
Todos têm obrigação,
Para quem nunca descore
A popular tradição
Os homens de grande estudo
Como Mainá e Cascudo
Guardam sempre nos arquivos
Populares tradições,
Cantigas, superstições
E costumes primitivos.



Você, caboclo, que cresce,
Sem instrução sem saber,
Escuta, mas não conhece
Folclore o que quer dizer;
O folclore é um pilão,
É um bodoque, um pião,
Garanto que também é
Uma grosseira cangalha
Aparelhada de palha
De palmeira ou catolé.

Posso lhe afirmar também
Folclore é superstição
O medo que você tem
Do canto do corujão.
Folclore é aquele instrumento
Para o seu divertimento
Que chamamos birimbau,
É também a brincadeira
Ritmada e prazenteira
Chamada Manero-Pau.

Folclore, meu camarada,
Ouvimos a tôda hora,
É história de alma penada
De lobisome e caipora.
Preste atenção e decore,
Pois, com certeza, folclore
Ainda posso dizer
Que é aquele búzio de osso
Que você põe no pescoço
Do filho pra não morrer.

É o aboio magoado
Do vaqueiro na amplidão,
É o festejo animado
Da debulha do feijão,
Carro de boi e gaiola
E desafio, à viola,
Do cantador popular.
E também a toadinha
Da ciranda – cirandinha
Vamos todos cirandar.

Eu e você que vivemos
No nosso pobre sertão
Muitas coisas ainda temos
Da popular tradição;
Além dos outros, o girau
E a carrocinha de pau
Em vez de bonito carro.
Que prazer, satisfação,
A gente comer pirão
Mexido em prato de barro!

E agora, prezado irmão,
Estes versos lhe dedico,
Lhe dei alguma noção
Do nosso folclore rico.
Não posso continuar,
Pois nada pude estudar,
De dentro do tema saio.
O resto lhe dirá tudo
Romão Figueira Sampaio,
Mainá e Câmara Cascudo.

CARVALHO, Gilmar (org.) Antologia poética Patativa do Assaré. 8. ed., Fortaleza, Demócrito Rocha, 2010. p.135-137.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!

Programa Agentes de Leitura