Projeto Poesia às 2as.feiras

Imagem
GULLAR, Ferreira. Glauber morto. IN: Toda poesia (1950-1999). 10ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 2001. p.351

O morto não está de sobrecasaca
não está de casaca
não está de gravata.

O morto está morto

não está barbeado
não está penteado
não tem flor na lapela
um flor 
na calça
sapatos de verniz

não finge de vivo
não vai tomar posse 
na Academia.

O morto está morto
em cima da cama
no quarto vazio.

Como já não come
como já não morre
enfermeiras e médicos
não se ocupam mais dele.

Cruzaram-lhe as mãos
ataram-lhe os pés.

Só falta embrulhá-lo
e jogá-lo fora.



Lançamento do livro O Último Tango

Como dizia Mário Quintana, poeta não se faz: nasce pronta. Assim, nasceu Marilene Alves de Araujo já fazendo versos, há 65 anos, em uma pequena cidade do Rio Grande do Norte. Passou por Brasília, ajudando na sua construção e para sorte e felicidade nossa, hoje mora em Guarulhos, bem escondidinha no Bairro do Cabuçu. Este Último Tango, é seu primeiro livro, e vem carregado de lirismo tão raro nos dias de hoje.

16 de junho de 2012
16h
Salão de Exposições da Biblioteca Monteiro Lobato

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!