Uma definição de poesia, de René Depestre



A Jorge Amado

A poesia é nosso pai que chega ao anoitecer
Sob chuva torrencial e nos murmura
Uma canção plangente que compôs para uma pequenina
Colher de prata.
Nosso pai queria sustar a chuva de setembro com uma
     colherinha e a tempestade transformou o seu espírito
     no de um bobo velho.
A poesia é:
     Um pai haitiano que perde o juízo
      Por uma colherinha que se fez canção
     Sob chuva que tomba violenta
      Vizinha a nossa infância!

O poeta em Cuba
1976

DEPESTRE, Rene. IN: FARIA, Idelma de Faria (organização e tradução). T.S. Eliot, Emily Dickinson, Rene Depestre: seleção. São Paulo, Hucitec, 1992. p.169


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!

Programa Agentes de Leitura