Projeto Poesia às 2as.feiras

Imagem
GULLAR, Ferreira. Glauber morto. IN: Toda poesia (1950-1999). 10ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 2001. p.351

O morto não está de sobrecasaca
não está de casaca
não está de gravata.

O morto está morto

não está barbeado
não está penteado
não tem flor na lapela
um flor 
na calça
sapatos de verniz

não finge de vivo
não vai tomar posse 
na Academia.

O morto está morto
em cima da cama
no quarto vazio.

Como já não come
como já não morre
enfermeiras e médicos
não se ocupam mais dele.

Cruzaram-lhe as mãos
ataram-lhe os pés.

Só falta embrulhá-lo
e jogá-lo fora.



"O Meritíssimo Jardineiro" de Mogenir Leite de Moraes

Aos amantes da boa literatura, vale a pena conferir o lançamento do Livro “ O Meritíssimo Jardineiro” contos e crônicas , nesta obra o leitor poderá apreciar um repertório de belas crônicas com os mais variados personagens da cena urbana paulistana da São Paulo da garoa.

Mogenir Leite de Moraes, este senhor de fala mansa, amante do samba da velha guarda que nasceu em Ribeirão Preto , mas que adotou Guarulhos para nos presentear com histórias que nos leva a uma viagem nostálgica.

Nestas 13 crônicas cabe um destaque especial para hilariante história do encontro do autor em 1974 com “Lupe”, mas conhecido como Lupicínio Rodrigues, sim ele mesmo !, o velho Boêmio, em um bar da capital.

A obra encontra se a disposição no espaço do escritor Guarulhense na Biblioteca Monteiro Lobato e na Biblioteca Mikail.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Busque você mesmo!